Juventude em Prosa

Cine Arte das Flores leva cinema para comunidades

Whatsapp



08/10/2016

Por Gabriel Venâncio (Jovem Multiplicador de Agroecologia)

No último dia 09 de outubro de 2016, aconteceu no Sítio Cipó, em Flores-PE, mais uma apresentação do Cine Arte das Flores, elaborado e coordenado pela Comissão de Jovens Multiplicadores de Agroecologia (CJMA) de Flores e pelo Centro Sabiá. No intuito de levar animação, diversão, mas acima de tudo informação.

Em todo começo de apresentação do Cine, os responsáveis pela sessão falam sobre a agricultura familiar com base agroecológica e em sistemas de Agroflorestas, além de outros assuntos como questões que desrespeitam a vida e a permanência dos jovens homens e mulheres no campo.

“Eu achei muito interessante o Cine Arte das Flores porque é um momento de lazer, que aqui nós nunca tivemos. E uma oportunidade única de assistir filmes que antes só poderíamos assistir em grandes cinemas, coisa que aqui não tem, então foi muito interessante”, diz Janiele, jovem que é catequista da comunidade. Nesta apresentação foi passada o curta metragem “Comida que alimenta”, produzido pelo Centro de Desenvolvimento Agroecológico Sabiá, que é um pequeno filme que fala da importância de consumir e produzir alimentos agroecológicos.

“Agradeço ao Centro Sabiá e a CJMA-Flores por ter trazido, junto com Gabriel, esse cinema até aqui para mostrar a nossa comunidade. Coisa que muita gente não tinha tido a oportunidade de ter visto ainda, como muitos vieram me agradecer e agradecer também ao Sabiá pela parceria. Achei a oportunidade muito boa, pincipalmente no começo onde foi passado um pequeno filme que mostrava a nossa realidade que é a produção agroecológica. Eu e meu irmão Damião produzimos polpa de frutas para o PAA [Programa de Aquisição de Alimentos]. Onde muitos não sabiam ainda e tiveram a oportunidade de conhecer um pouco do nosso trabalho. E seria bom que tivesse mais momentos como esse, que foi muito bonito. Apesar de não termos muita comunicação, a gente fez a divulgação pelo boca a boca mesmo e nos surpreendeu, pois deu muita gente”, reforçou Aldeci Batista, dono do salão onde foi instalado o cinema.