Juventude em Prosa

CJMA e FOJUPE compõem o Conselho Estadual de Políticas Públicas para as Juventudes do Estado e estiveram presentes na solenidade de posse do mesmo.

Whatsapp



17/06/2019

 

 

Por: Maurilio Nogueira, jovem indígena, membro do FOJUPE e atual presidente do Conselho.

 Foto CJMA

O conselho Estadual de Política Pública de Juventude de Pernambuco-CEPPJ/PE, no dia 28 de maio de 2019, no Auditório do Prédio do PRORURAL com sede no endereço Rua Gervásio Pires, 399 - Boa Vista - Recife – PE, Secretaria de Desenvolvimento Social Estadual, Criança e Juventude do Estado de Pernambuco deu posse a 14 Conselheiros/as da Sociedade Civil. Os/as mesmos/as são de organizações sociais que na última eleição para composição do Conselho foram eleitos para compor o biênio de 2019/2021. Momento importante e estratégico para visibilidade e incidência das juventudes do estado. Encerrado o momento solene de posse as organizações se reuniram para escolha da presidência do Conselho. A Presidência ficou na responsabilidade do FOJUPE - Fórum das Juventude de Pernambuco, o fórum foi escolhido legitimamente pelos conselheiros/as presentes. O Titular representante do FOJUPE é Maurílio Nogueira e Suplente Jéssica Vanessa ambos legítimos para representar e tocar esse processo.

A Importância das organizações fazerem parte desse processo democrático e de direito preconizado é buscar junto ao poder público garantir a efetivação dos direitos das juventudes no estado de Pernambuco.

Composição da Sociedade Civil: FOJUPE, CJMA, UEP, CIEE, SINPRÓ, VISÃO MUNDIAL, IPJ, FETAPE, MNU, SERTA, JSB, UNE e DCE/UFRPE.

 

“CEPPJ” (Conselho Estadual de Políticas Públicas de Juventude), criado pela Lei Estadual nº 13.607, de 31 de outubro de 2008, é órgão autônomo e deliberativo da Política Estadual de Juventude, com sede e foro em Recife, estado de Pernambuco. O CEPPJ tem por finalidade assegurar os Direitos da Juventude; Promover o controle social das políticas públicas de Juventude; Fortalecer a autonomia, organização e participação social da Juventude; Formular e propor Políticas de transição, afirmativas e garantia dos direitos da Juventude; Formular as diretrizes da ação governamental; Monitorar o andamento das resoluções das Conferências Estaduais de Políticas Públicas de Juventude, e demais iniciativas legitimadas pela Sociedade Civil.