Juventude em Prosa

Geração de renda através da confecção de biojóias

Whatsapp

03/02/2017

Por Gabriel Venâncio (Jovem Multiplicador de Agroecologia)

O bioma da Caatinga vem sofrendo grande destruição com queimadas, retirada de lenha ilegal, produção de carvão, criação animal enfim, são vários os motivos para a devastação da Caatinga, mas pouco se discute sobre isso. As ações não são suficientes para conter esses problemas. 

No entanto, organizações da sociedade civil como Centro Sabiá, Diaconia, Casa da Mulher do Nordeste entre outras, vêm trabalhando para que as famílias agricultoras, principalmente os jovens e mulheres, gerem renda com sustentabilidade.  Uma das estratégias é a confecção de Biojoias. Também estão sendo desenvolvidas e construídas tecnologias sociais para diminuir esses desmatamentos como o biodigestor e os fogões ecológicos.

No decorrer do dia 27 de janeiro de 2017, no sitio Poço Grande, no município de Flores, Sertão de Pernambuco, aconteceu a oficina de biojoias facilitada pela jovem Maria José, integrante da Comissão de Jovens Multiplicadores da Agroecologia (CJMA). Esta oficina teve o intuito de capacitar os jovens da CJMA de Flores e do grupo de base existente na comunidade para a geração de renda para os mesmos. A oficina foi proporcionada pelo Centro Sabiá através da Chamada de Ater Agroecologia.

No decorrer do dia, os jovens aprenderam a confeccionar pulseiras, colares e chaveiros. A facilitadora Maria José é uma jovem engajada no que se refere a agroecologia e geração de renda. “Foi um dia muito proveitoso e de muito aprendizado. Só tenho a agradecer ao Centro Sabiá por ter nos proporcionado esse dia de hoje, especialmente pela oficina de biojóias, que nos fez perceber que podemos gerar renda para os grupos de base. Gostei também da reunião onde pudemos debater alguns assuntos que estavam pendentes e principalmente planejarmos algumas ações durante esse início de ano. Enfim, o dia foi perfeito mas essas oficinas deveriam ir também pra outras comunidades”, diz Uliane, coordenadora da Comissão e do grupo de jovens.

Esses momentos só tendem a contribuir para a permanência do jovem no campo, é onde ele percebe que não tem que sair da comunidade onde mora e ir pros grandes centros urbanos para ter sua própria renda.