Juventude em Prosa

Juventudes e Agroecologia

Whatsapp



29/07/2019

Juventudes da Comissão de Jovens Multiplicadores e Multiplicadoras da Agroecologia participam do “Intercâmbio de Saberes nos Semiáridos da América Latina – Juventudes e Agroecologia"

Por José Carlos P. de Lima, Tatiane Faustino da Silva, Daniele Braz e Mônica Ivaneide.

Entre os dias 22 e 26 de Julho, aconteceu o “Intercâmbio de Saberes nos Semiáridos da América Latina – Juventudes e Agroecologia –”. O evento perpassou por vários municípios do Nordeste brasileiro, teve como pontos de apoio as cidades de Caruaru em Pernambuco e Campina Grande na Paraíba – Brasil. Reuniu representações das regiões Norte, Nordeste, Sudeste e Sul do Brasil, e de países como Argentina, Paraguaia, Bolívia, Guatemala e Nicarágua. 

O Intercâmbio contou com cerca de 80 participantes, foi apoiado por organizações do Terceiro Setor do Brasil e de outros países, e teve como principal objetivo proporcionar a troca de vivências e experiências que possibilitem o bem viver nas regiões semiáridas da América Latina, e também o fortalecimento da organização das juventudes na luta por políticas públicas de convivência com os semiáridos. 

No dia 22 de Julho, na cidade de Caruaru – PE iniciou-se as atividades, o dia começou com uma acolhida pra lá de especial proporcionada pelo senhor Carlos Magno, coordenador pedagógico do Centro de Desenvolvimento Agroecológico Sabiá e pela senhora Juliana Peixoto, técnica do Centro de Desenvolvimento Agroecológico. 

Foto: Ronald Santos

Em seguida, houve uma rodada de apresentações, foi um momento repleto de emoções, pois os participantes tiveram a oportunidade de apresentar objetos que simbolizam as histórias de lutas e resistência das populações dos territórios de vários países da América Latina.  

Para dar continuidade às atividades, a jovem Tatiane Faustino e o Jovem José Carlos Lima, ambos integrantes da Comissão de Jovens Multiplicadores e Multiplicadoras da Agroecologia (CJMA), assumiram o papel de mediadores dos seguintes painéis: “Juventudes e Agroecologia: Desafios para o bem viver nos Semiáridos”; Convivência com os Semiáridos: Partilhando e fortalecendo nossa luta comum. 

Os painéis abriram um leque de discussões, os debates que se seguiram pelo restante da tarde, demonstraram o quanto às populações dos semiáridos da América Latina resiste e luta em busca de soluções para problemas que são comuns entre os povos de vários países e regiões distintas. A juventude demonstrou o seu protagonismo através da animação e das colocações que enriquecerem a abrilhantaram o debate. 

Para finalizar as atividades do dia, as demonstrações culturais ficaram por conta dos participantes, com uma rica contribuição de um trio de forró local que apresentou para América Latina as expressões artríticas do Nordeste brasileiro.  

Na manhã do dia 23/06 os participantes foram divididos em quatro grupos para visitar e conhecer experiências agroecológicas dos jovens Gildo José da Silva no município de Jataúba, de Rafael Bezerra em Vertente do Lério, da jovem Ana Cláudia Lopes também em Vertentes do Lério, de Tone Cristinano jovem morador do município de Bom Jardim e do Jovem Wallasson Francisco no município de Orobó, quatro municípios localizados na Região Agreste de Pernambuco. 

A Jovem Daniela Brás, uma das integrantes da Comissão de Jovens Multiplicadores e Multiplicadoras da Agroecologia (CJMA) relata quais foram as impressões que obteve ao visitar experiência do Jovem Tone Cristiano no Município de Bom Jardim: “Fiquei encantada com o que vi, em um terreno pequeno inclinado com poucas áreas planas, se fazer tanta coisa, tinha de tudo um pouco, diversas frutas, criação de animais, e também produção de hortaliças, na propriedade existem três tecnologias de armazenamento de água, a cisterna de 16 mil litros para o consumo humano, uma cisterna maior para o cultivo de hortaliças e um barreiro de onde é retirada a água para o consumo dos animais. Tudo que é produzido é usado para o consumo da família do jovem e também para geração de renda. É incrível como ele aproveita cada centímetro do pequeno terreno que se mostra tão grande em diversidade. Segundo Tone a agroecologia não é apenas um modo de vida e sim, uma religião a ser seguida” disse Daniela. 

Foto: Ronald Santos

Já na cidade de Campina Grande – PB, no dia 24 de julho, as atividades do Intercâmbio foram retomadas com a instalação pedagógica sobre as diversas dimensões da juventude do Semiárido paraibano.

Os participantes trouxeram os símbolos que resgatam os territórios, sua agrobiodiversidade, suas bandeiras de lutas e elementos que contextualizam suas atuações na comunicação, na arte, na cultura, na produção, na comercialização, na utilização de fundos rotativos solidários e na construção de bancos de sementes.

As experiências apresentadas partem do princípio da construção do conhecimento agroecológico entre os saberes existentes e a apropriação de outros conhecimentos a exemplo da comunicação. Essa dinâmica tem sido fundamental, apoia o processo de organização das juventudes paraibanas, fortalecendo suas ações, seus anseios, necessidades e expectativas. Passaram fortemente o sentimento e a importância das juventudes estarem envolvidas nos movimentos sociais, pois ajudam na construção da identidade do "Ser jovem rural", e que está na base o despertar para a militância. 

Na parte da tarde foi apresentado o painel: “O Papel da Comunicação na Internacionalização das Juventudes dos Semiáridos da América Latina” o momento contou com a participação de Fernanda Cruz _ Coordenadora da comunicação da Asa Brasil, Daniela Savid, da Fundação Plurales (Argentina) e Daniel Lamir, Comunicador do Terral Coletivo de Comunicação Popular, trouxeram contribuições ricas. Os principais destaques foram: A importância da comunicação não apenas a que informa, mas, também a que mobiliza que transforma, a que da vez e voz as juventudes do campo e da cidade.

Foto: Darliton Silva

No dia 25 de julho, os participantes do intercâmbio foram novamente divididos em grupos e tiveram a oportunidade de conhecer as experiências de convivência com o semiárido de jovens moradores de Mogeiro, Queimadas, Caraúbas e Juarezinho, municípios localizados nas Regiões do Agreste e do Cariri do estado da Paraíba. 

Na sexta, dia 26 de julho, último dia do Intercâmbio, os participantes visitaram a VII Feira Agroecológica e Cultural da Juventude que aconteceu na cidade de Solânea – PB. Na oportunidade ocorreram diversas apresentações culturais realizadas pelas juventudes e a comercialização de produtos agroecológicos produzidos pelas famílias que sobrevivem no semiárido brasileiro. 

O “Intercâmbio de Saberes nos Semiáridos da América Latina – Juventudes e Agroecologia” proporcionou a troca de experiências e de conhecimentos entre os povos de vários países da América Latina, essas trocas possibilitam o fortalecimento das organizações populares e o fortalecimento das juventudes na luta por estratégias e tecnologias de convivências com os semiáridos.  

É necessário deixar explícito que as populações tradicionais exigem e busca a preservação de seus territórios, de suas identidades culturais, de suas crenças e tradições. Além de lutarem bravamente pelo direito a vida, pelo direito a dignidade e pela convivência harmoniosa entre as sociedades humanas e a natureza tendo como princípio norteador práticas agroecológicas que promovam a sobrevivência de forma sustentável.